Angola Oil & Gas 2022 vai discutir o mercado doméstico de FPSO

Connect with us:

FPSO. oil & gas. bigstock

Disponível em inglês.

Com a Angola – o maior produtor de petróleo bruto da África – buscando maximizar a expansão da indústria de hidrocarbonetos para segurança energética e crescimento econômico, o mercado e a demanda do país por sistemas flutuantes de produção, armazenamento e descarga (FPSO) devem testemunhar um aumento exponencial.

Como tal, a edição de 2022 da conferência e exposição Angola Oil & Gas (AOG) – o ponto de encontro oficial de Angola para empresas de petróleo e gás, decisores políticos e investidores, que terá como tema, ‘Promovendo uma Indústria de Petróleo e Gás Inclusiva, Atrativa e Inovadora em Angola’, de 29 de novembro a 01 de dezembro em Luanda – realizará painéis de discussão de alto nível, exposições e oficinas técnicas que fornecerão insights sobre as tendências do mercado FPSO do país, incluindo desafios e oportunidades do setor.

Os FPSOs de grande escala, incluindo Girassol no bloco 17 e Gimboa no bloco 4/05, atualmente em operação por todo o país, desempenharam um papel crucial na expansão das reservas, produção e monetização de petróleo e gás. No entanto, a maioria deles está “caminhando agora para um declínio irreversível”, segundo o último relatório da Câmara Africana de Energia (AEC), “The State of African Energy: 2023 Outlook”.

Com a produção de petróleo dos FPSOs, operacionais em Angola, caindo para menos de um milhão de barris de petróleo bruto por dia após 2023, de acordo com o relatório da AEC, o desenvolvimento e exploração de novos projetos e descobertas de petróleo e gás, como os projetos Cameia–Golfinho, CLOV 3 e Chissonga da TotalEnergies;  Palas, Astrea e Juno (PAJ) da bp; Agogo, Ndungu FFD e Quiluma/Maboqueiro da Eni; e Sanha Lean Gas da Chevron, serão fundamentais para aumentar a demanda e a penetração de novos FPSOs, bem como para melhorar a produção de hidrocarbonetos pesados.

bp, por exemplo, assinou em julho de 2022 um acordo com a empresa malaia Yinson para a reserva do navio Nganhurra FPSO para uso no desenvolvimento dos Campos de Petróleo PAJ no Bloco 31.

Além disso, com instituições privadas e públicas como a ANPG, Somoil e Sonangol implementando uma série de mecanismos, incluindo o lançamento de novas rodadas de licenciamento, destinadas a impulsionar a exploração e produção tanto em novos blocos quanto em campos marginais, o mercado para a implantação do FPSO em Angola deverá crescer significativamente nos próximos anos.

Além disso, como membro da Organização dos Países Exportadores de Petróleo, Angola tem como objetivo maximizar o desenvolvimento e a monetização de seus 11 trilhões de pés cúbicos de reservas comprovadas de gás natural através do desenvolvimento de instalações de gás natural liquefeito (GNL) – acelerando assim o desenvolvimento de instalações offshore de GNL, como o projeto Angola GNL de 120 bilhões de dólares – em uma tentativa de aproveitar as amplas oportunidades de exportação de gás em todo o mundo. Como tal, a implantação do FPSO em todo o país tende a expandir.

Neste sentido, a AOG 2022, como o lugar onde são discutidos os assuntos de petróleo e gás de Angola, serve como a melhor plataforma para discutir as necessidades do FPSO do mercado, e para unir fornecedores, operadores e usuários locais e internacionais do FPSO para discutir o futuro do setor energético angolano. Com inovadores recursos de networking, a AOG 2022 se torna a plataforma ideal onde acordos podem ser negociados e assinados.

Other Reads

Other Reads

Energy Capital & Power

Energy Capital & Power

Energy Capital & Power is the African continent’s leading investment platform for the energy sector. Through a series of events, online content and investment reports, we unite the entire energy value chain – from oil and gas exploration to renewable power – and facilitate global and intra-African investment and collaboration.

More from the Author

Sign up for latest news and event info

Copyright © 2023 Energy Capital & Power. Privacy Policy · Terms of Use